Postagens do dia 6 de May de 2015

  • O CÉU NÃO É RESPONSÁVEL PELOS DESLIZAMENTOS EM SALVADOR http://www.passapalavra….
    O CÉU NÃO É RESPONSÁVEL PELOS DESLIZAMENTOS EM SALVADOR http://www.passapalavra.info/2015/05/104080
    Em resumo: as chuvas foram intensas, mas não estão assim tão “fora da curva” quanto a Prefeitura quer nos fazer crer. A responsabilidade pelos deslizamentos não está no céu, mas aqui embaixo, na Praça Municipal e no Centro Administrativo da Bahia. Embora seja o prefeito a estar na berlinda por decretar estado de emergência em determinadas áreas da cidade (o que lhe permitirá contratações sem licitação para prestar serviços urgentes), o Governo da Bahia também tem responsabilidades quanto à defesa civil, e ao longo de sucessivas gestões foi tão inepto quanto a prefeitura. Por Manolo.


    O céu não é responsável pelos deslizamentos em Salvador : Passa Palavra
    passapalavra.info
    A responsabilidade pela situação, é claro, está sempre, invariável e inapelavelmente, em dois lugares: no povo e nos céus. Por Manolo.

Postagens do dia 20 de March de 2015

  • CONVITE
    a todas e todos moradores, vizinhos e
    interessados nas zonas publicas ve…

    CONVITE
    a todas e todos moradores, vizinhos e
    interessados nas zonas publicas verdes e
    na praia da Vila Brandão
    para discutir a questão da construção do
    campinho e do contrato de comodato
    entre a Parochia da Vitoria e o Iate Clube.
    AUDIENÇA PUBLICA
    27 de março, 9.00
    no auditório da Ouvidoria Publica
    Rua Pedra Lesso 123, Canela

Postagens do dia 18 de March de 2015

Postagens do dia 17 de March de 2015

  • Marcelo Castañeda
    Tópicos abertos sobre as manifestações
    recentes no Brasil para…

    Marcelo Castañeda
    Tópicos abertos sobre as manifestações
    recentes no Brasil para pensar junto:
    1- O domingo verde e amarelo com camisa
    da seleção foi muito maior do que a sexta
    vermelha. Isso é consenso. Ambas me
    surpreenderam e mostraram a força da
    polarização que nos governa que parece ser
    mais forte em São Paulo, que contou com o
    maior número de manifestantes, ainda que
    tenham se espalhado por todo país. Deixo
    claro que não me sinto motivado a me
    engajar numa ou outra.
    2- Mantenho a hipótese de que estas
    manifestações fecham o ciclo que foi aberto
    com as jornadas de junho de 2013 e fechado
    com ajuda do governo Dilma, pois são
    resultado do fechamento consumado com as
    eleições de outubro passado e respondem a
    uma lógica polarizada que vem sendo
    intensificada desde então. Como toda
    hipótese, pode ser comprovada ou não.
    3- Importante salientar que quando falo de
    polarização não estou dizendo que haja uma
    intencionalidade ou uma racionalidade de PT
    e PSDB em relação a isso, mas que ambos se
    alimentam dialeticamente.
    4- Essa polarização mostrou toda sua força,
    sendo que o pêndulo claramente está à
    direita (mais para PSDB, no caso, já que é
    cada vez mais difícil denominar o PT como
    esquerda) . Ganhar apertado a eleição já
    denotava esse deslocamento, que fica mais
    evidente com o começo desastroso do
    segundo governo Dilma. No entanto, pelo
    menos nas manifestações de domingo,
    parece ter sido forte a rejeição aos políticos
    e partidos de um modo geral, o que pode
    explicar vaias a Bolsonaro e Paulinho da
    Força Sindical.
    5- A mobilização das manifestações de sexta
    se caracterizou por ser configurada a partir
    das redes dos aparelhos governistas e contou
    com razoável cobertura midiática, inclusive
    da Globo e suas associadas. Houve críticas,
    em especial ao Ministro da Fazenda (Levy),
    mas eram atos em apoio ao governo e à
    Petrobras.Vale destacar que não aglutinou
    toda esquerda institucional, como PSOL, por
    exemplo, como fez na eleição de outubro.
    6- A mobilização das manifestações de
    domingo se caracterizou pela combinação de
    redes sociotécnicas que, para mim, são novas
    (MBL, Revoltados On Line, Vem pra Rua,
    principalmente), mas também foram
    alimentadas pela direita institucional (PSDB
    e PPS) e, não poderia deixar de destacar,
    pela Rede Globo em especial, que dedicou 8
    horas de programação e mais 30 minutos no
    Fantástico para as manifestações. É óbvio
    que existe uma parcialidade da mídia
    corporativa, mas descortinar o papel
    desempenhado pelas articulações
    sociotécnicas é um desafio para entender
    como, em São Paulo, principal polo, mais de
    200 mil pessoas foram às ruas. Com toda
    pinta de direita com ênfase no "Fora Dilma"
    e "anti-PT", entre pedidos de impeachment e
    até intervenção militar, gostaria de ressaltar
    que as coisas podem não ser tão simples
    quanto parecem: acho que tinha um
    sentimento de indignação no domingo que
    pode não estar limitado ao campo da direita
    e do conservadorismo, tão enfatizado. Talvez,
    digo bem, talvez, exista espaço para disputar
    sentidos nestas manifestações. Isso merece
    ser investigado sem tanta passionalidade e
    ódio (que está presente nos dois lados, diga-
    se).
    7- Importante acompanhar a permanência
    destas manifestações, ou seja, quando elas
    acontecerão novamente. A próxima
    manifestação deste campo à direita já está
    marcada: 12/4. O prazo de quase um mês
    mostra que a ideia de golpe não está
    articulada, mas que o impeachment pode
    estar no horizonte deste grupo, criando um
    clima considerando que um fato qualquer
    possa ser produzido neste sentido, gerando
    essa possibilidade, que não existe agora, por
    exemplo. A ideia,no entanto, é que me
    parece ser realizar outra mega manifestação
    e procurar desestabilizar o (péssimo, diga-
    se) governo de Dilma, pressionando por uma
    renúncia. Por enquanto são possibilidades.
    Como o campo governista vai se comportar
    neste período em termos de mobilização será
    crucial. Resta saber também como a
    esquerda institucional e as redes que não se
    encaixam nem na esfera governista e nem na
    direita vão se articular e se posicionar neste
    momento.
    8- O governo federal, principal alvo, está,
    literalmente, em uma "sinuca de bico": (1)
    sem qualquer boa nova para anunciar, pois
    não creio que as tais medidas anticorrupção
    que serão anunciadas sejam isso; (2)
    extremamente dependente do PMDB, que
    neste momento deve estar com a faca no
    pescoço de Dilma para ampliar seus espaços
    de poder, sob a chantagem de passar para o
    lado oposto; (3) sem o apoio de parte da
    esquerda institucional. A saída seria se abrir
    ao desejo de participação que está latente,
    mas se isso não foi possível em junho de
    2013, com toda ambiguidade, imagino que
    será mais difícil agora com a preponderância
    da oposição de direita. Mais que isso, Dilma
    é uma presidente apagada em termos de
    comunicação e interação, o que torna a
    tarefa mais difícil.
    9- Para além da polarização e do deserto que
    se instaura existirá saída? Particularmente,
    não me identifico com qualquer uma das
    manifestações recentes. Também não
    acredito em numa reforma política feita "por
    cima" (e é assim que visualizo hoje) ou em
    medidas anticorrupção. Minha aposta é no
    sentido de fortalecer âmbitos da sociedade
    civil a partir de ações em diferentes escalas
    que sejam capaz de influenciar a
    institucionalidade e cujos resultados não vão
    aparecer no curto prazo.
    10- Neste curto prazo, pelo menos até 12/4,
    as atenções estarão voltadas para as ações
    do governo federal que está em xeque e se
    mostra inoperante frente às pressões que
    recebe (inclusive de aliados e "aliados"). Ao
    mesmo tempo que o objetivo de desgastar o
    governo Dilma pode ser até bem-sucedido,
    isso é uma pena, pois parece que tudo que
    se refere à corrupção depende apenas da
    presidente ou somente do governo federal.
    Enquanto se acredita que se combate a
    corrupção gritando "Fora Dilma", um prefeito
    de cidade de interior ou de uma metrópole
    continua desviando verba pública numa boa
    sem falar em questões fundamentais para a
    vida de cada um, tais como saúde, moradia,
    educação, transporte, segurança, entre
    tantas outras.
    11- Enfim, hoje é segunda-feira, 16 de março
    e o mundo não acabou. Sigamos!
  • Bruno Cava Rodrigues > NÓS
    15/3 – O 7 A 1 JÁ ACONTECEU
    Ontem foi um dia históric…

    Bruno Cava Rodrigues > NÓS
    15/3 – O 7 A 1 JÁ ACONTECEU
    Ontem foi um dia histórico e marca um novo ciclo
    no Brasil. Pela quantidade de pessoas, pela
    disseminação por todas as regiões, pela
    heterogeneidade da composição (afetiva,
    sociológica, regional), mas também por ser o
    momento em que protestos de rua cristalizaram,
    pela primeira vez, no "Fora Dilma". O governo e o
    PT ganharam as últimas eleições com a
    polarização, mas agora o pêndulo completa a
    trajetória. Em meio a cortes sociais, Petrolão e
    crise ambiental, a tentativa do contra-ato no 13/3
    foi uma enorme derrota.
    É preciso entender todas as tendências contidas
    em manifestações desse porte e com essa
    irradiação. As tendências contra a representação
    partidária, as tendências que vaiaram Bolsonaro
    no Rio, ou que criticaram a presença de elementos
    simpáticos à ditadura, bem como as tendências
    mais jovens e dinâmicas que organizaram os atos
    por fora de enunciados midiáticos e grupos
    organizados da oposição: quem desses esteve em
    2013 e com que arranjos de organização estão
    agora: o que mudou, como, onde, quando?
    Se não fizermos o dever de casa, se continuarmos
    apenas destacando os gomos estragados da
    laranja, generalizando os golpistas-reaças-
    coxinhas, favoreceremos exatamente que essas
    tendências se unam, na integralidade, contra nós
    mesmos. E aí, como escreveu Safatle ontem, não
    naufragam apenas o governo e o PT, mas as
    esquerdas como um todo.
    Não é hora de abraçar uma posição amuada ou
    francamente ressentida. Não adianta acusar o
    outro de ódio enquanto satura o ambiente de
    sarcasmos e veemências. Não adianta criticar o
    nacionalismo enquanto se incorre nele ao elogiar a
    "Copa das Copas" em clima de "ame-o ou deixe-
    o" ou ao aderir ao imaginário do Brasil pra Frente
    cujo emblema é Belo Monte. E não adianta agora
    reclamar de movimentos como MBL, Revoltados ou
    VempraRua, se há pouco tempo o governo com
    Cardozo, sob aplauso dos "progressistas",
    coordenava a repressão de ativistas, ou quando
    Haddad comparou o MPL ao fundamentalismo
    terrorista.
    A hora de mudar a postura se impõe. Nem que
    seja para dar uma resposta que seja parcial,
    incipiente, mas em todo caso necessária. O 7 a 1
    já aconteceu. Estamos agora indo pro jogo da
    Holanda.

Postagens do dia 9 de February de 2015


  • Timeline Photos
    Evento no facebook:

    https://www.facebook.com/events/514806068658584/

    "ACAMPAÇO NA SEFAZ!

    e se venderem o único camping de salvador, onde poderemos acampar???

    vamos acampar segunda-feira, 09/02, a partir das 8h na sede da sefaz (na rua das vassouras, 01, edifício jorge lins freire, 7º andar, centro histórico), local onde está marcado o leilão do camping ecológico de itapuã !"

    Via Thaís Rebouças
    "quem vai querer comprar banana?
    [que banana que nada! compra um camping!!!]
    OFERTA IMPERDÍVEL! está à venda o camping de itapuã!!!

    http://www.sefaz.salvador.ba.gov.br/Servicos/LicImoveis

    parece até caro, R$ 23.000.000,00, mas é que são 26.780 m². ou seja, o m² tá saindo por R$ 859,00. não sou assim nenhuma especialista em mercado de terras, nem tenho dinheiro pra comprar, mas está me parecendo um bom negócio! ele fica em frente ao mar da Praia de Stella Maris e ao lado do Hotel Catussaba Resort. na minha santa ignorância, um terreno de frente pro mar e do lado de hotel de luxo como esse estaria caríssimo, mas a gente conta com o amor e a dedicação da "nossa" prefeitura para com "nossos" queridos especuladores, digo, investidores estandartes do progresso da nossa cidade.
    OPS! acontece que esse é O ÚNICO CAMPING DE SALVADOR!!! mas pra que salvador quer um camping, se nós só recebemos turistas "de nível"? precisamos é proporcionar-lhes mais resorts, ora pois – há quem diga. #sqn
    o leilão está marcado pro dia 09/02 [isso mesmo, segunda antes de carnaval], às 10h, na Sede da Secretaria Municipal da Fazenda – SEFAZ, situado na Rua das Vassouras, 01, Edifício Jorge Lins Freire, 7º andar, Centro.
    quem quiser aparecer pra fazer uma oferta ou pentelhar e constranger, a hora é essa.
    só pra não deixar passar em branco, esse é um dos 59 imóveis que foram desafetados para alienação [venda] pela prefeitura, desrespeitando a constituição do estado da bahia, a lei orgânica do município e o estatuto da cidade. só isso.
    AH! e pra não perder a deixa: grampinho tá todo serelepe vendendo terreno público [mais de 500 mil m²] e ainda tem a cara de pau de pedir pra encolher o tamanho das creche públicas. "Pedimos ao ministro a flexibilização com relação ao tamanho dos terrenos, diante das dificuldades que estamos tendo para encontrar grandes áreas na cidade que possam ser adaptadas ao projeto" [!!!!!!!], disse o próprio. é mole? http://www.metro1.com.br/ampliacao-de-creches-e-tema-de-reu…"

Postagens do dia 5 de February de 2015

  • QUEREMOS: Os movimentos e a nova forma-partido

    https://www.facebook.com/events/1…

    QUEREMOS: Os movimentos e a nova forma-partido
    https://www.facebook.com/events/1569905193245821/


    Cover Photos
    @[1569905193245821:844:QUEREMOS\: Os movimentos e a nova forma-partido]

  • [Dia de Ação Global] #FUCKFIFA: NÃO VAI TER TARIFA! | Ocupa Salvador
    [Dia de Ação Global] #FUCKFIFA: NÃO VAI TER TARIFA! | Ocupa Salvador


    [Dia de Ação Global] #FUCKFIFA: NÃO VAI TER TARIFA! | Ocupa Salvador
    www.ocupasalvador.org
    Durante os meses de junho e julho, ocorre no Brasil a Copa de Futebol da FIFA. É por conta da sua realização que milhares de famílias pobres foram retiradas de suas casas para dar espaço às obras superfaturadas da Copa. O grande investimento de dinheiro público da Copa deixará como legado o aumento…

  • Ocupa Copa
    Ocupa Copa

  • #ocupasalvador 2011 2012 2013 2014
    #ocupasalvador 2011 2012 2013 2014

  • Não é só pela árvore do Porto da Barra!!!
    Não é só pela árvore do Porto da Barra!!!


    Timeline Photos
    Não é só pela árvore do Porto da Barra!!!

    Fotos: Pela preservação Vila Coracão de Maria bairro 2 de Julho

    https://www.facebook.com/media/set/?set=a.751936774819316.1073741857.100000090017299&type=1


  • Ocupação Criativa da Estação

    Movimento pela ocupação criativa de uma das primeiras estações ferroviárias do Brasil, situada em São Félix do Paraguassu – Bahia.


  • Timeline Photos
    Marcha da Maconha Salvador

    https://www.facebook.com/marchadamaconhasalvador

  • Fórum Anarquista Especifista
    Construindo uma organização anarquista na Bahia

    Do…

    Fórum Anarquista Especifista
    Construindo uma organização anarquista na Bahia

    Dos sindicatos, movimento estudantil e comunitário, dos movimentos por mobilidade e das lutas contra opressões (gênero, étnica e de sexualidade). São de onde vieram, e de onde queremos que venham muito mais, companheiras e companheiros que se lançaram na retomada da construção de um anarquismo organizado na Bahia.

    E é através dessa nota que declaramos com muita satisfação a construção da FAE (Forum Anarquista Especifista) na Bahia. A FAE é resultado dos esforços iniciados no primeiro encontro especifista no estado e representa a aproximação de grupos e indivíduos nas cidades de Salvador, Candeias, Feira de Santana e Cachoeira. O Fórum pretende ser um espaço de debates e articulação da militância em torno da construção de uma organização anarquista no estado da Bahia, sabemos que construir uma organização especifica não é tarefa fácil, é um projeto de médio prazo, mas que precisamos iniciá-lo desde já.

    Desde o primeiro encontro os indivíduos e grupos presentes voltaram para suas cidades com a tarefa de continuar o debate de construção em suas realidades locais, além de fortalecer a atuação nos espaços sociais onde já atuamos, esse processo culminou em uma plenária geral ocorrida no dia 25 de maio, onde estabelecemos novas deliberações para continuar com o nosso projeto. Consideramos as experiências e o nível de acúmulo presentes no nosso meio e estabelecemos cautela e responsabilidade, preocupados/as em não cometer erros do passado, fundando e refundando organizações e coletivos sem que isso represente de fato um trabalho consistente ou mesmo uma real intervenção nas lutas do povo oprimido. A FAE deverá cumprir um papel importante nesta primeira caminhada, sendo um espaço para um primeiro nivelamento político em torno de uma unidade programática e teórica, além de fazer um balanço da atuação social de nossa militância em busca de alguma unificação onde isso se demonstrar possível.

    A FAE considera o especifismo defendido pelos grupos coordenados pela CAB, a estratégia mais adequada para perseguir nosso objetivo finalista de alcançar uma sociedade livre da dominação de classes e das opressões existentes no modelo de sociedade em que vivemos. Para nós os anarquistas precisam estar organizados numa instância política específica, que represente um trabalho comum, com estratégia e táticas comuns construídas coletivamente pela organização, isso porém, não quer dizer que desconsideramos ou que somos contrários aos grupos que são adeptos a outras formas e modelos de se articularem coletivamente dentro do campo libertário, e pretendemos sempre manter relações fraternas, pois não os consideramos adversários, mas sim companheiros e companheiras de luta.

    Nossa militância convida mais uma vez a todas e todos companheiras e companheiros alinhadas/os com a proposta de organização específica anarquista a somar forças na construção de uma nova sociedade livre, justa e igualitária para o povo oprimido, convidamos a todos e todas a remar junto conosco em direção ao nosso objetivo finalista revolucionário, convidamos todas e todos a lutar por um povo forte e empoderado de suas vidas, para construção do PODER POPULAR!

    LUTAR CRIAR PODER POPULAR
    (Forum Anarquista Especifista – BA)
    fae@riseup.net
    Salvador, 25 de maio 2014


    Timeline Photos
    Fórum Anarquista Especifista
    Construindo uma organização anarquista na Bahia

    Dos sindicatos, movimento estudantil e comunitário, dos movimentos por mobilidade e das lutas contra opressões (gênero, étnica e de sexualidade). São de onde vieram, e de onde queremos que venham muito mais, companheiras e companheiros que se lançaram na retomada da construção de um anarquismo organizado na Bahia.

    E é através dessa nota que declaramos com muita satisfação a construção da FAE (Forum Anarquista Especifista) na Bahia. A FAE é resultado dos esforços iniciados no primeiro encontro especifista no estado e representa a aproximação de grupos e indivíduos nas cidades de Salvador, Candeias, Feira de Santana e Cachoeira. O Fórum pretende ser um espaço de debates e articulação da militância em torno da construção de uma organização anarquista no estado da Bahia, sabemos que construir uma organização especifica não é tarefa fácil, é um projeto de médio prazo, mas que precisamos iniciá-lo desde já.

    Desde o primeiro encontro os indivíduos e grupos presentes voltaram para suas cidades com a tarefa de continuar o debate de construção em suas realidades locais, além de fortalecer a atuação nos espaços sociais onde já atuamos, esse processo culminou em uma plenária geral ocorrida no dia 25 de maio, onde estabelecemos novas deliberações para continuar com o nosso projeto. Consideramos as experiências e o nível de acúmulo presentes no nosso meio e estabelecemos cautela e responsabilidade, preocupados/as em não cometer erros do passado, fundando e refundando organizações e coletivos sem que isso represente de fato um trabalho consistente ou mesmo uma real intervenção nas lutas do povo oprimido. A FAE deverá cumprir um papel importante nesta primeira caminhada, sendo um espaço para um primeiro nivelamento político em torno de uma unidade programática e teórica, além de fazer um balanço da atuação social de nossa militância em busca de alguma unificação onde isso se demonstrar possível.

    A FAE considera o especifismo defendido pelos grupos coordenados pela CAB, a estratégia mais adequada para perseguir nosso objetivo finalista de alcançar uma sociedade livre da dominação de classes e das opressões existentes no modelo de sociedade em que vivemos. Para nós os anarquistas precisam estar organizados numa instância política específica, que represente um trabalho comum, com estratégia e táticas comuns construídas coletivamente pela organização, isso porém, não quer dizer que desconsideramos ou que somos contrários aos grupos que são adeptos a outras formas e modelos de se articularem coletivamente dentro do campo libertário, e pretendemos sempre manter relações fraternas, pois não os consideramos adversários, mas sim companheiros e companheiras de luta.

    Nossa militância convida mais uma vez a todas e todos companheiras e companheiros alinhadas/os com a proposta de organização específica anarquista a somar forças na construção de uma nova sociedade livre, justa e igualitária para o povo oprimido, convidamos a todos e todas a remar junto conosco em direção ao nosso objetivo finalista revolucionário, convidamos todas e todos a lutar por um povo forte e empoderado de suas vidas, para construção do PODER POPULAR!

    LUTAR CRIAR PODER POPULAR
    (Forum Anarquista Especifista – BA)
    fae@riseup.net
    Salvador, 25 de maio 2014